What?

sexta-feira, 31 de julho de 2015

O que sentir

O que sentir? O que não sentir? Pra quê sentir? Sentir Dissolvo.

domingo, 26 de julho de 2015

Humancide - Part II



Maybe I should not be here. I am chaos. Welcome stranger. Why are here you? What do you want from me? I am just chaos, disorder and pain. I am sorry about all these past days, weeks and mo(n)ths. I am choleric about everything. I am accepting the fact that this is the end of a civilization. Every single day I can watch all these things that I think every time. My mind does not give me time. I was made for?



And a text about this.

sábado, 25 de julho de 2015

Filmes da Semana #03

Como tenho visto bons filmes nos últimos tempos, decidi compartilhar esse pequeno acervo para seu deleite reflexivo. Para essa lista, não tenho prioridade de melhor que o outro porque cada um aborda uma temática própria e bastante específica. Todos se tornaram meus favoritos.




Frequencies - Produção britânica. Um dos melhores filmes que vi esse ano. Enredo bem elaborado, conta-nos um pouco da história das frequências e como elas se relacionam nesse mundo.



The Double - Dispensa comentários. Baseado na obra de Fiódor Dostoiévski.



I Origins - Produção americana independente. O título original do filme condiz com sua história mas a tradução que fizeram, deixaram a desejar, fazendo com que o possível futuro espectador crie dúvidas a respeito da história do filme. É um bom filme, enredo bem elaborado e trilha sonora tão bacana que agora sou fã da banda The Dø.






sábado, 18 de julho de 2015

Escrever era a única coisa da qual não se cansava. Nem parava. Só não tem saco para histórias compridas e enroladas. É direta ao ponto.

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Melhor pensar

E olha que eu não acreditava tanto nesse lance de pensamento induzido.
Dizem por aí que ao pensarmos em coisas que almejamos ter por perto, com muita sinceridade no pensamento e no coração, acaba por acontecer.
E me aconteceu.
E nem me dei conta quando aconteceu. Mas aconteceu.
Pensava em estar com alguém que me amasse por quem eu era,
que gostasse das mesmas coisas que eu,
que ficasse comigo por gostar de mim e não por algum interesse pessoal,
que gostasse de falar besteira e não me julgasse por ser feliz,
e uma série de outras coisas que não estou afim de lembrar,
escrever.
Já está bom assim.
O que importa é que estou feliz pois encontrei tudo o que eu pensava.